A tensão do dia a dia, bem como os movimentos bruscos e repetitivos, que muitas vezes são feitos de forma inconsciente, afetam a estrutura da coluna vertebral. Esses e outros fatores podem provocar dores limitantes, como as do nervo ciático inflamado.

Essa é uma das dores mais comuns que, se não tratada logo no início, pode se agravar e exigir tratamentos medicamentosos com efeitos colaterais ou, até mesmo, cirurgias e internações.

Neste artigo, vamos abordar como se origina esse tipo de inflamação, quais são os sintomas, tratamentos e formas de prevenção. Continue lendo para saber mais!

 

O que é o nervo ciático?

O ciático é formado por várias raízes nervosas que saem da coluna vertebral. Ele sai do final da coluna, passando pelos glúteos, parte posterior da coxa e se estende até o joelho — nesse ponto, ele se divide entre nervo tibial e fibular comum, indo até os pés.

A coluna é formada por um conjunto de vértebras, divididas em: coluna cervical (pescoço), torácica (tronco), lombar (cintura), sacro (quadril) e cóccix (final da coluna). Cada vértebra da coluna é separada por discos intervertebrais, que são cartilagens com a função de amortecer impactos entre as estruturas dessas regiões.

Com o tempo e os esforços repetitivos das articulações, há um desgaste nos discos vertebrais. Caso os discos saiam da posição normal, podem comprimir alguma estrutura nervosa, provocando a hérnia de disco.

 

Quais são as causas da inflamação?

Em casos de compressão ou inflamação do nervo, surge a dor ciática, também conhecida como ciatalgia. Essa dor ocorre quando há uma compressão ou dano a uma das raízes do nervo ciático, afetando todo o trajeto do nervo e provocando diversos sintomas.

As causas mais comuns se relacionam ao estresse da vida diária, má postura e envelhecimento natural do organismo — normalmente, afetando pessoas com idade entre 30 e 50 anos.

Essa disfunção pode ser causada por desvios na coluna ou por uma predisposição para contraturas musculares na região ou desequilíbrios musculares, como em casos de disfunções hormonais.

Os principais músculos que sofrem tensões são os da região glútea e o piriforme — o maior responsável por lesões no ciático, localizado na região do quadril, próximo da área profunda das nádegas. Ele possibilita a rotação externa dos membros inferiores.

O nervo ciático pode ser inflamado por uma contratura ou lesão desse músculo — sua pressão sobre o nervo recebe o nome de “síndrome do piriforme”. Além dessas causas, a dor ciática também pode ser provocada por:

– doenças degenerativas: artrose, hérnia e protrusões discais;
– gravidez;
– movimentos bruscos;
– obesidade;
– sedentarismo;
– síndrome do piriforme: malformação genética do músculo;
– traumas por acidentes ou sobrecarga de peso na coluna;
– tumores e infecções.

 

Quais os sintomas do nervo ciático inflamado?

Os principais sintomas são dores intensas na região lombar, glúteo, panturrilha ou pernas. Há também limitação dos movimentos para sentar, deitar, levantar e manter a coluna em posição ereta. Além desses, há outros sintomas que sinalizam a inflamação do nervo, como:

– irradiação de dor lombar para a perna;
– sensação de pontadas ou de choque elétrico;
dormência ou formigamento na perna e planta do pé;
– fraqueza na perna;
– dificuldade para tossir, espirrar ou manter uma mesma posição;
– dor que piora com repouso;
– queimação local;
– dores no músculo piriforme.

Quando o quadro torna-se crônico, essa inflamação pode gerar alterações mais graves na coluna, como hérnias de disco, artrose ou espondilolistese. Por essa razão, os sintomas nunca devem ser ignorados, devendo-se buscar tratamentos com profissionais especializados, o mais breve possível.

 

Como ocorre o tratamento?

Há diferentes opções de tratamentos para o nervo ciático inflamado, tanto os tradicionais quanto os alternativos. A escolha depende da preferência individual do paciente e da gravidade de cada caso.

Os tratamentos tradicionais são feitos com uso de remédios analgésicos e anti-inflamatórios em forma de comprimidos, pomadas, bolsas de calor e fisioterapias. Para os casos mais graves, como os de hérnia de disco, pode ser necessária a cirurgia da coluna, com a retirada do disco vertebral.

As opções de tratamentos alternativos são oferecidas por meio de terapias naturais, que incluem massagens com cremes e óleos essenciais. A alimentação anti-inflamatória também auxilia por meio do consumo de salmão, alho, cebola, linhaça, chia e gergelim, evitando as carnes vermelhas e os embutidos.

As técnicas alternativas são poderosas ferramentas para o alívio da dor, recuperação dos movimentos e manutenção da saúde dos músculos e nervos. As principais são:

– Acupuntura: por meio de agulhas próprias, estimula pontos meridianos para relaxamento e controle da dor;
– Reflexologia — estimula pontos de energia nos pés, mãos, orelhas ou rosto para combater problemas físicos e emocionais;
– Osteopatia — utiliza métodos mecânicos e de manipulação para detectar e corrigir falhas na estrutura do corpo;
– Quiropraxia — preserva a coluna, corrigindo bloqueios vertebrais por meio de manobras específicas.

Entre as técnicas citadas, a Quiropraxia se apresenta como um dos melhores tratamentos naturais para a inflamação do nervo ciático, por meio de manipulações que alcançam os pontos causadores do problema, restaurando os movimentos e mantendo a estrutura da coluna.

 

Tratamento quiroprático

A partir de testes ortopédicos, musculares e neurológicos, o quiropraxista (profissional habilitado) identifica a causa da compressão do nervo, bem como a estrutura afetada. A partir dessa identificação são realizados ajustes quiropráticos (manipulações da coluna) específicos da posição das vértebras afetadas, restaurando os movimentos.

Esse tratamento proporciona excelentes resultados na eliminação dos sintomas dolorosos, promovendo alívio imediato em alguns casos, por meio da descompressão rápida de um nervo. Também contribui para a manutenção dos discos intervertebrais, evitando deslocamentos.

É importante observar que o acompanhamento e a manutenção no tratamento são essenciais para que o nervo ciático não volte a inflamar. Nesse sentido, mudanças no estilo de vida e adoção regular de exercícios físicos também são fatores importantes para prevenir problemas futuros.

 

Como prevenir a inflamação?

A prevenção é a melhor forma de combater quaisquer desordens no organismo — o mesmo aplica-se à dor ciática. Uma boa opção é fazer um check-up periódico com um quiropraxista habilitado.

Além de exames preventivos, também é importante ter cuidados ao desempenhar as atividades no dia a dia, para não provocar distensões musculares que possam originar inflamações do nervo ciático. Nesse sentido, é importante observar as seguintes orientações:

– evite realizar movimentos bruscos;
– procure manter a coluna em posição ereta ao caminhar e sentar;
– durma com a coluna alinhada;
– sempre flexione os joelhos quando for erguer um peso do chão;
– dê preferência aos sapatos com saltos mais baixos;
– pratique exercícios físicos que favoreçam o corpo como um todo;
– faça alongamentos diariamente;
– evite ficar sentado por longos períodos;
– dê preferência para sentar e deitar em móveis que possibilitem uma postura ereta da coluna;
– mantenha uma alimentação saudável — dê preferência aos produtos naturais;
– faça manutenção do tratamento quiroprático;
– mantenha a musculatura do abdômen forte para proteger a coluna.

Como pudemos observar, o nervo ciático inflamado é causado por diferentes fatores, principalmente do estilo de vida, devendo ser tratado logo no início da dor para evitar maiores complicações. A Quiropraxia é altamente indicada para esse problema, prevenindo, tratando e mantendo a saúde osteomuscular.

Gostou desse artigo? Então não deixe de compartilhar essas informações com seus amigos para que eles também entendam sobre a inflamação do nervo ciático e saibam como preveni-la!

 

Já teve dor nas costas? Baixe agora nosso material GRATUITO e descubra as principais causas e alternativas de tratamentos. Clique na imagem abaixo!